MENU

sexta-feira, 1 de maio de 2015

DEUS TE GUARDE, "HELDER" DE LUZ!


* Marieta Borges Lins e Silva


Quando foi, Helder, que o teu coração deu sinais de um chamado especial??? Eras uma criança, ainda... Nenhum dos teus irmãos sentiu a mesma inclinação que tu... Teu pai, preocupado, bem que tentou questionar-te e mudar o rumo que parecias querer dar à tua vida, padrezinho... Mas tu insististe, argumentaste, convenceste.

A partir dali, de asas camufladas, teu corpo franzino seguiu, escondendo o anjo que guardavas dentro de ti (era José, não era?) e os passos necessários foram sendo dados, nos estudos, nas reflexões, nos poemas que escrevias envergonhado, na sabedoria que demonstravas, mesmo sendo tão jovem.

A partir dali, a tua liderança foi ficando evidente e as lutas para que os direitos de teus companheiros de vocação fossem respeitados, tornaram-se constantes... Eras, desde então, o profeta que se abria para o mundo, ainda que o fosse nos limites do teu Seminário da Prainha, onde te fizeste padre, aos 22 anos e meio.

Quando o Ceará te recebeu como sacerdote, naquele distante 1931, não sabia que estava entre eles um padre iluminado, que haveria de marcar o seu tempo, a sua terra, a sua geração... Que se eternizaria pela vida afora e depois dela, permanecendo entre nós por tudo o que construiu, nessa estrada de amor e dedicação ao Pai.

Quem sabe se o teu Ceará nem se deu conta do quanto valias??? Quem sabe se, com a tua ida para o Rio de Janeiro, não carregaste contigo o teu profetismo, sendo até pouco lembrado pelos teus próprio conterrâneos? Mas é claro que milhares de cearenses amam e veneram tua memória, compensando a esquecida falta de lembrança de uns poucos, que nem chegaram a compreender-te!

Quando foi, Helder, que decidiste envolver, num abraço de ajuda e salvação, os excluídos que encontraste na "cidade maravilhosa"? Quando te sentiste inclinado a buscar gabinetes oficiais em busca de ajuda solidária, muito antes que outros a tivessem imaginado? Que inspiração sublime te levou a criar a Cruzada São Sebastião? A imaginar um banco para pobres, como o Banco da Providência? A batalhar para que se fizesse o aterro do Flamengo e, no espaço criado, acontecesse o Congresso Eucarístico, absolutamente vitorioso?

Em que vigília da madrugada te veio a inspiração para que os Bispos do Brasil fossem unidos através de uma instituição - a CNBB – crescendo e se fortalecendo pelas trocas entre espaços regionais de um país continental?

Que força impulsionou tua fala, no histórico momento daquele 12 de abril de 1964, recém-chegado à Arquidiocese de Olinda e Recife, para abrir o coração em meio à praça e disponibilizar-se para todos – absolutamente para todos – desassombradamente, instigando a muitos e encantando a outros, com a partilha que propunhas, entre irmãos que te acolhiam fascinados, mesmo na turbulência política que se fizera?

Em que tempo decidiste o fortalecimento da tua fé e dos teus sonhos pela oração e pela vigília, fazendo disso um costume rigidamente seguido, inspirador de poemas e meditações profundíssimas, tão sérias e tão tocantes, que ouvindo-te hoje dizer qualquer dos textos feitos e gravados, fica-nos a impressão que foi ontem que as escrevestes?

Deixa-me divagar, meu profeta pequenino, nesse centenário que se aproxima, perguntando a ti, de coração contrito, as razões do meu amor tão grande, da minha saudade tão visível, do meu engajamento absoluto nas causas pelas quais lutaste tanto... Deixa-me expressar esse carinho, essa vontade de ver-te elevado à honra do altar, como um santo – onde já deverias estar, por merecimento – ouvindo e socorrendo teu povo sofrido, órfão do seu "bom pastor" , intermediador de causas possíveis e impossíveis junto ao Pai...

Deixa-me sonhar – como sonhaste tanto – que a PAZ é algo que se pode alcançar: basta querê-la e merecê-la!
Deixa-me crer sempre – como ensinaste – que o homem é bom e pode fazer desse jeito de ser gente, a sua forma de contribuir para que exista um mundo mais justo e fraterno, espelhado no exemplo que deixaste e na esperança da qual foste o arauto solitário e forte!
Deus te guarde, "helder" de luz!
Deus te guarde, "São" Helder!

* Marieta Borges Lins e Silva é pesquisadora e escritora, membro do Instituto Dom Helder Câmara – IDHeC


Texto publicado em 2009, no JC Online, durante as comemorações do Centenário de Nascimento de Dom Helder Camara.

http://www2.uol.com.br/JC/sites/sementesdodom/artigos.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário