MENU

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

HOMILIA DE DOM JOSÉ MARIA PIRES: MISSA DOS 65 ANOS DE ORDENAÇÃO SACERDOTAL DE DOM HELDER CAMARA


Dom José Maria Pires*



“O Todo-Poderoso fez por mim grandes coisas” (Lc 1,49)

Por que não colocar nos lábios do filho as palavras de louvor que acabamos de ouvir, saídas da boca e do coração da Mãe? A Virgem Maria, fazendo um retrospecto da história de Israel, podia assinalar a realização do desígnio de Deus reservado para a plenitude dos tempos. Podia reconhecer que essa maravilha se concretizou por meio dela, o instrumento escolhido por Deus.

O que diremos nós, o que dirá a Igreja de Olinda e Recife, a Igreja do Brasil, o que dirá nosso querido e venerando pastor Dom  , ao lançar o olhar sobre estes 65 anos de vida sacerdotal que hoje alegremente comemoramos? Não tem ele o direito e o dever de cantar com Maria: “O Todo-Poderoso fez por mim grandes coisas”?

Recordar essas “grandes coisas” não é vaidade, não é vã glória. É recordar como Maria recordou os motivos especiais de glorificar o Senhor: “Minha alma exalta o Senhor e meu espírito se encheu de júbilo por causa de Deus, meu salvador”.(Lc 1,47)

Senhor Jesus, Sumo e Eterno Sacerdote!

Os promotores desta homenagem encarregaram-me da louvação. Certamente não pensavam numa louvação a Dom , mas a Ti, ó Cristo que és sempre o Presidente Maior desta Celebração Eucarística na qual Te fazes visível através de nosso humilde ministério. Não a nós, Senhor! A nós, a Dom Helder, a todos os Teus discípulos e discípulas, concelebrantes também eles e elas da divina Liturgia, cabe sempre a atitude de humildade recomendada por Ti no Evangelho: “Quando fizerdes tudo o que vos foi ordenado, dizei: ‘Somos uns servos quaisquer. Não fizemos mais do que nosso dever’ “(Lc 17, 10).

Nós Te louvamos, Senhor, porque o Ceará existe e de lá, de Messejana, chamaste um jovem ardoroso, ordenado presbítero com apenas 22 anos e, cinco anos depois, o fizeste migrar, como tantos milhões de outros nordestinos, para o Rio de Janeiro.

Nós Te bendizemos porque a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e o Conselho Episcopal Latino Americano (CELAM) germinaram e vieram a lume no coração e na mente de Dom Helder antes mesmo de ele ser bispo.

Nós Te louvamos pela Ação Católica de que ele foi Assistente Nacional, Ação Católica que formou tantos militantes leigos e deu à Igreja do Brasil os quadros de que ela necessitava para fazer-se presente e atuante no mundo.
Nós Te louvamos e bendizemos pelo 36º Congresso Eucarístico Internacional celebrado no Rio de Janeiro, organizado, animado e orientado por dois servos Teus, Dom José Vicente Távora e Dom Helder Camara.


Nós Te louvamos porque, naquele período, não foi só a Igreja a beneficiária de Tuas graças escolhidas. Também a Sociedade civil, formada majoritariamente de pobres, pôde acolher Tuas dádivas, passadas pelas mãos do teu servo Hélder Câmara. Ou não foi benefício Teu a Cruzada São Sebastião visando ao desfavelamento do Rio? E o Banco da Providência fugindo ao assistencialismo e buscando a promoção humana? E a SUDENE, Senhor? Ela também é desse tempo de graça. Quem teve a audácia de reunir bispos e políticos a fim de refletir os problemas do desenvolvimento do Nordeste e encaminhar soluções concretas?

Os anos sessenta trouxeram mudanças profundas para a Igreja e para nosso país. Dois acontecimentos marcantes, um eclesial outro político, modificaram o curso da história da Igreja no Brasil: a realização do Concílio Ecumênico Vaticano II e o Golpe Militar de 31 de março de 1964. A Igreja não podia ser mais a mesma da primeira metade do século e Dom Helder já não podia ser mais o mesmo dos tempos do Concílio de Trento ou do tempo em que o Brasil vivia sob regime democrático. A realidade era outra.

A Igreja do Vaticano II apresenta-se com novo enfoque: Povo de Deus mais do que Hierarquia, Comunidade mais do que Sociedade, inserida no mundo mais do ao lado do mundo, servidora e não senhora, defensora da verdade e não sua proprietária.

Tão logo foi dado o Golpe Militar, estando ainda em andamento o Vaticano II, fazes, ó Jesus, Teu servo Hélder Câmara retornar ao Nordeste e o colocas no fogo cruzado de uma Igreja em transformação e de uma sociedade civil submetida a Ditadura Militar.

Com Dom Hélder à frente, foste conduzindo os acontecimentos de tal modo que, no Recife e no Nordeste II, a Igreja Tridentina foi dando lugar à Igreja Vaticano II.

O clero foi se sentindo presbitério, corresponsável com seu Bispo pela caminhada da Igreja local. Os leigos foram se organizando em comunidades, em movimentos, associações e setores pastorais e, sem se afastarem da comunhão com a Hierarquia, reconheceram sua autonomia e passaram a assumir suas responsabilidades na evangelização e a dar conscientemente sua indispensável contribuição na construção do Reino de Paz e de Justiça.

Os jovens, afastados da participação social e política pela Revolução de 64, contaram com a simpatia e a acolhida da Igreja de Olinda e Recife que chegou a oferecer-lhe a vida e o sangue de um de seus filhos mais queridos, a testemunha fiel, o mártir Pe. Antônio Henrique.

Mais do que qualquer outra no Brasil de então, a Igreja de Olinda e Recife tornara-se uma referência, um espaço de liberdade para quantos buscavam uma sociedade livre e igualitária. Ela se fez a voz dos que não tinham voz.

Com Dom Hélder, Deus se serviu de coisas muito simples e de pessoas bem humildes para iniciar nesta Igreja o processo de entrada em vigor das mensagens do Vaticano II. O que é um programa radiofônico de meia-hora? O que valem grupos de rádio-ouvintes que, depois de escutarem a fala do Bispo, se concentram para refletir e rezar as perguntas lançadas no programa? Verdadeiro Encontro de Irmãos e Irmãs dos quais surgiram tantas Comunidades Eclesiais de Base!

Para dar uma demonstração de que é possível com pouco dinheiro e muita solidariedade, resolver os problemas sociais, inspirastes, Senhor Jesus, a Operação Esperança que surgiu para manter viva a chama de uma nova sociedade sem famintos e sem desabrigados.

Nós Te bendizemos porque no Rio e no Recife, não deixastes Teu servo sozinho. A ele associaste um grupo voluntário de homens e mulheres, peritos nas ciências e nas artes, desde a Teologia, a Sociologia, a Economia, a Política ou os Meios de Comunicação até a redação, o desenho, a datilografia e a mecanografia. O grupo de voluntários era numeroso. É impossível enumerar todos os seus componentes. Mas permite, ó Cristo, que Te agradeçamos o trabalho de todos e de cada um, o apoio que deram à Tua causa e a assessoria qualificada que prestaram a Teu servo Hélder. Deixa que nosso agradecimento chegue a todos na saudosa menção que fazemos aqui de dois que já vêem Tua face gloriosa: Cecilinha, no Rio e Dom Lamartine, no Recife. Por eles sabemos e sentimos que esta comunidade de irmãos aqui reunida está em total comunhão com a Igreja Celeste de que eles já participam.


Senhor, lembramos fatos recentes mas todos pertencentes já ao passado. Um passado sem o qual este presente seria outro ou nem seria. Mas Dom Helder não é homem do passado nem é homem de parar no presente: ele olha o futuro, ele caminha para o futuro. Por todo mundo repercute seu grito: Ano 2.000 sem miséria! Grito que tem inspirado as Campanhas contra a fome e contra a miséria e em favor da cidadania. É a volta ao paraíso. Utopia que, no coração de Dom Helder e no Teu Coração, ó Cristo, deve transformar-se em realidade para todos os filhos e filhas de Deus, para todos os irmãos e irmãs pelos quais derramaste Teu sangue.

A Igreja de Olinda e Recife não pode deixar no chão essas bandeiras nem pode permitir que passem a outras mãos. Deve empunhá-las e assumir a vanguarda da luta pelo Reino. Dom Hélder deu a esta Igreja uma dimensão que ultrapassa os limites geográficos da Diocese. Atinge todo o Nordeste, terra de sofrimentos, de injustiças mas de esperança também. Sobretudo de esperança. Dom Helder continua sendo para todos nós fonte de inspiração e de força.

Ele é ainda pastor desta Igreja. Pastor Emérito não deixa de ser pastor. Como um pai que transfere aos filhos a condução dos negócios da família, mas permanece presente, assim o coração de Dom Helder, enquanto pulsar, será o que foi durante tantos anos: o coração do pastor de Olinda e Recife.

Há uma contribuição de primeira ordem que ele pode dar e a que não se nega: fazer o que Moisés fez na colina de onde acompanhava o combate dos israelitas: orar. E a prece de Dom Hélder será, para todos nós, tão útil e poderosa quanto a de Moisés para o povo de Deus daquele tempo. (Cf. Ex 17, 10-12 )

Senhor, a louvação prossegue. Mas passamos-Te a palavra. És Tu que irás conduzir o louvor daqui para a frente apresentando ao Pai a louvação que quisemos tributar-Te pela vida e pelos 65 anos de ministério sacerdotal de Teu servidor Helder Camara.

Nosso louvor, por Ti assumido, torna-se agora Eucaristia.
Permite que coloquemos em Tuas mãos uma prece por esta Igreja. Nosso pedido é semelhante ao que Eliseu dirigiu ao profeta Elias antes que ele fosse arrebatado em carro de fogo:
Dá à Tua Igreja de Olinda e Recife o espírito do profeta Helder, mas dá em dobro. Amém!

*Arcebispo Emérito da Paraíba
Participante do Concíclio Vaticano II
Responsável pela Linha de Catequese e pelo setor dos Centros de Defesa dos Direitos Humanos no Regional NE II, em 1997
Presidente da Comissão Episcopal Regional entre 79 e 83
Responsável pelo setor de Pastoral Urbana em 84
Responsável pelo setor Ecumenismo em 90
Secretário Nacional das Vicações em 68
Membro da CNBB e da Comissão Representativa
Integrante da Delegação Brasileira ao CELAN ( Conferência Episcopal Latino Americanas de Medellin e de Santo Domingo.
Representante da CNBB na IV Conferência Mundial das Religiõespara a Paz, em Melbourne, Austrália, em 1989.
Membro e depois Presidente do Conselho Diretor Nacional do Movimento de Educação de Base , em 1970
Membro do Depto. de Comunicações Sociais do CELAM



4 comentários:

  1. Muito começar este blog com esta bela homilia de Dom José. Os dois se estimavam muito e juntos formaram uma belíssima dupla na defesa dos Direitos Humanos no Nordeste

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Dom José Maria e Dom Helder sempre colocaram o cuidado com o irmão em primeiro lugar.

      Excluir
  2. Parabéns pela iniciativa. De minha parte farei todo o possível para divulgar este blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por divulgar o blog. Temos que continuar espalhar as sementes do Dom mundo afora.

      Excluir