MENU

domingo, 22 de novembro de 2015

FESTA DE CRISTO REI: 53ª CIRCULAR DE DOM HELDER DURANTE A 3ª SESSÃO DO VATICANO II

Mais uma circular de Dom Helder, sobre a Festa de Cristo Rei, lembrada pelo amigo Pe. João Pubben.

Roma, 24/25 de outubro de 1964

Vigília de Cristo Rei...


Tenho certeza, meu Irmão Jesus Cristo, de que nos entendemos, em absoluto, quando afirmo que a festa de hoje me aflige... Claro que tenho presente a cena evangélica em que, interpelado oficialmente, declaraste tua realeza. Claro que tenho no ouvido a descrição que, de teu reino, faz o prefácio da Missa de hoje:
§  reino de verdade e de vida,
§  de santidade e de graça,
§  de justiça, amor e paz.

Claro que não esqueço que, um dia, todos os homens seremos julgados por Ti. Mas como, com a melhor das intenções, tua realeza tem sido interpretada em termos não-evangélicos...

Hoje, os homens brincam de Rei. Isto me parece válido até para a Inglaterra... e é verdadeiríssimo para os povos onde aclamamos Rainha da Primavera e do Maracatu, ou Rei Momo I e único...

Cristo Rei! Como explicar teu título aos 2/3 que estão no subdesenvolvimento e na fome?... Vão perguntar-me pela paz, pelo amor e pela justiça, tão ausentes da terra... Vão indagar-me pela santidade e pela graça que se refugiam no íntimo de tão poucos... Vão querer saber onde se escondem a verdade e a própria vida (viver, humanamente, não é só vegetar...).

Tanto que disseste que teu reino não é deste mundo. De novo, nossa fraqueza transformou em império a tua Igreja e nem sabemos como desfazer-nos dos novos e mais difíceis estados pontifícios, e episcopais, e congregacionais...  Parece à nossa cegueira, a nosso pouco-espírito evangélico que nem é viável de outra maneira...

Bem que te vestiste de Rei, tal como entendes tua realeza na terra, à véspera de tua morte! Mas, para consolar-te dos ultrajes recebidos, construímos Templos que são um ultraje à miséria dos nossos tempos. Quando tiraremos consequências práticas de tua identificação com o Pobre e quando aprenderemos a lição forte do julgamento final!?


Dom. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário