MENU

quarta-feira, 8 de março de 2017

UM OLHAR SOBRE A CIDADE: É PRECISO TER RAÇA

No dia Internacional da Mulher, uma homenagem de Dom Helder a todas as guerreiras que, a exemplo de MARIA, seguem lutando por um mundo melhor.



Quarta-feira, 31.3.1982

Meus queridos amigos

Digam-me como entender “Maria, Maria” de Milton Nascimento...
Digam-me de que Maria ele fala:
“Maria, Maria é um dom...
Uma certa magia...
Uma força que nos alerta!
Uma mulher que merece
Viver e amar
Como outra qualquer do planeta...
Maria é o som, é a cor, é o suor...
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que ri
Quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta!
Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo esta marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria!...
Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida!”

Acho este canto belíssimo. É maior do que Amélia, mulher de verdade. Quem não conhece Maria, que não vive, apenas aguenta?

Vai longe esta observação: Aguenta! Não vive! Quem traz no corpo esta marca, mistura a dor e a alegria!

Milton, querido amigo, quando você diz de Maria que ela é a dose mais forte e lenta de uma gente que ri, quando deve chorar e acha que para isso Maria precisa ter força, precisa ter raça, precisa ter garra sempre. Eu acrescento que, sabendo ou sem saber, Maria tem é um bocado de fé no coração!


O nosso querido João de Deus me disse, aqui, olhando a nossa gente sofrida: “Sua gente tem pouca teologia na cabeça, mas tem muita fé no coração!” Daí a estranha e bela, belíssima mania — de ter fé na vida! Ter fé e nos transmitir fé, e coragem, e esperança, e alegria de viver!

Nenhum comentário:

Postar um comentário