MENU

sexta-feira, 9 de junho de 2017

UM OLHAR SOBRE A CIDADE: INFLAÇÃO


Quinta-feira, 15.7.1976

Meus queridos amigos

Quanto custa o feijão, a farinha e a charque? Quanto custa o café? E o açúcar e o pão? Por quanto, em nossa cidade, se aluga um quarto?

Subiu o preço do ônibus? Quem fracassar neste teste se envergonhe: será sinal de que está muito longe do sofrimento do nosso povo.

Tomei um táxi no dia exato do último aumento da gasolina. Gostei do motorista. Quando perguntei a ele como via a vida, disse: “Estou preocupado. Mas o que me agonia não é o aumento da gasolina.

Quem tem carro ou anda de táxi reclama do preço da gasolina, mas acaba se acostumando...” E comentou o velho motorista: “O que me dói é o aumento do fogão de gás. É o aumento que vai muito mais longe e deixa em situação impossível muita família pobre.”

Quando sobe o preço do uísque e o dos vinhos importados, quando sobe o preço dos perfumes ou dos charutos, ou mesmo o dos cigarros, não se compara com o aumento do preço do leite ou do pão. Leite é problema sério para as crianças. Pão é problema para todo mundo.

Vi uma senhora irritadíssima com um pobre. Ela deu um cruzeiro a ele. O pobre, sem grosseria disse: “Me de dois. Um cruzeiro não dá mais nem pra um café”. Ela tomou como afronta. Quis tomar o dinheiro que deu. Mas, salvo engano, ela não sabia que o cafezinho já passou de um cruzeiro.

Permitam que eu deixe aqui, com espírito fraterno, outros testes de humanidade e de espírito cristão:

— Se houve de sua parte o desejo de alugar um quarto para um pobre velho que esteja dormindo debaixo da igreja ou da marquise de algum edifício: Onde se encontra um quarto para alugar?

Quanto precisa pagar de fiança? Quanto custa o aluguel dos quartos mais baratos?

— Já se lembrou de algum dia visitar a casa em que mora sua empregada?
— Pegue um papel e um lápis. Imagine as despesas indispensáveis de uma família, de um casal e três filhos.

Com estas e outras numerosas perguntas a intenção não é atacar ninguém: nem Governo, nem ricos, nem ninguém... Não interessa blá-blá-blá. Agitação, subversão não resolvem. O importante é nós todos, do menor ao maior, nos convencermos de que o mundo assim não vai e de que é urgente, juntos, com o pensamento em Deus, trabalharmos para construir um mundo menos egoísta, mais justo, mais humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário