MENU

terça-feira, 19 de setembro de 2017

354º CARTA PÓS CONCILIAR- A MUDANÇA DE ENDEREÇO



Após-Concílio

Recife, 28.1.68

354ª Circular *

4ª Dominga depois de Epifania

A querida Família Mecejanense

Permitam que recorde e resuma a novela de minha mudança:

• desde a chegada, em abril de 1964, o Palácio de Manguinhos deixou-me a impressão de Casa imensa, latifúndio de vez que se destinava apenas a residência do Arcebispo e de seu Auxiliar. A impressão se agravou, quando foi possível concretizar o velho plano do Auxiliar [D. José Larmatine], de residir, nos fundos do Palácio, com sua Mãezinha. Foi quando surgiu o slogan: é casa demais para um bispinho só;

• tentei, de maneiras várias, encher, um pouco, Manguinhos. Trouxe a Cúria para dentro de Casa; ocupei a antiga sede da Cúria ao lado do Palácio, com seis Organizações apostólicas que estavam sem sede; coloquei, dentro do próprio Palácio, a Operação Esperança e o Banco da Providencia;

• houve a experiência de abrir os jardins do Palácio às crianças e os salões à Noitadas;

• aos poucos, consegui livrar-me das duas Salas de Trono;

• durante a Cheia de 1966, Manguinhos viveu dias de plenitude. Mesmo em tempos comuns, o Povo o invade, sobretudo nas tardes de terças e de sextas-feiras;

• quando consegui abrir, escancarar os portões que dão acesso ao Palácio, houve queixa de que os jardins da Casa passaram a ser abrigo de maloqueiros, ladroes, desocupados e cenário de grossas imoralidades. Foi preciso, então, aceitar a figura incrível do Vigia.

• vivi entre o sofrimento de ver, mesmo em noites de chuva, u'a média de 15 Pobres [fl. 2] dormindo pelas varandas do Palácio (não pude repetir a façanha de faze-los entrar, dada a alegação de que receber 15 na terça--feira, seria contar na quarta-feira com 40 e na quinta-feira com 100) e o sobressalto de ver um Vigia, armado, disparar contra Cristo na pessoa do Pobre...

Quando se abriu o ano de 1968 era evidente a necessidade de que o novo ano não repetisse 1967. Era impossível ficar em meras declarações e em discursos.

Está provado que a circunstância de eu me deslocar das Áreas-desafio do Recife (que não ficam abandonadas) e partir para o meio rural (Cfr. Discurso de Carpina) já marca uma revolução. Os jornais de hoje publicam a notícia que um advogado, sedento de publicidade, vai denunciar-me, amanhã, perante a justiça. Se o Juiz aceitar a denúncia e eu for citado, será oportunidade esplêndida de chamar a atenção do País inteiro para as atrocidades que se passam no campo.

Impunha-se, a meu ver, o duplo sinal: morar em Casa pequena e pobre; dar destinação adequada a Manguinhos. Cinco ideias se sucederam (a meu ver caíram, porque não havia surgido o sopro de Deus):

• Equipe Central, dando unidade às Equipes externas de Seminaristas que abandonariam o Seminário Regional do Nordeste (imenso contrassinal, do qual procuraríamos livrar-nos, quanto antes). Houve o que houve.
No fim, as equipes se concentraram em Olinda e a Equipe Central passou para os altos da Casa do Povo (antigo Palácio Episcopal de Olinda);

• ITER (Instituto de Teologia do Recife): pensou-se em fazê-lo funcionar aqui, quando surgiu [a] dificuldade de ele funcionar, anexo a Universidade Católica. Desfez-se a dificuldade;

• Casa do Padre... Mas eles não sabem muito o que fazer da Casa; [fl. 3]

• hospedagem para Religiosas, necessitadas de aprimorar-se e cujas Congregações não tenham Casa no Recife;

• sede do Vicariato dos Setores Paroquiais, com serviços vários a serviço das Paróquias. Imaginei o Juvenato Dom Vital como cérebro e Manguinhos como coração da Arquidiocese. D. Lamartine teve receio de que a ideia prejudicasse o Arquidiocesano...

Vejam o que imaginei (por enquanto, tenho a aprovação do Pe. Marcelo [Carvalheira] e de D. José [D. José Larmatine] ):

Projeto para adequar ocupação do Palácio de Manguinhos

I) Considerações gerais

1. Oficialmente, a Casa será chamada Central de Promoção Humana, de acordo com as atividades que preencherão o térreo do Edifício.
O sobrado, no entanto, será entregue ao Clero da Arquidiocese, embora a Capela fique aberta a todos os Movimentos ligados a Manguinhos.

2. A Casa toda será administrada por uma Congregação Religiosa Feminina, responsável:

• diretamente, pela Portaria, Telefone e Capela;

• em articulação com o Banco da Providencia, pela manutenção da Casa.

3. A Central de Promoção Humana, sem prejuízo de iniciativas que
venham a tomar, abre-se com os seguintes movimentos:

• o Banco da Providência e a Operação Esperança;

• em articulação com o Banco: Cursos de Copa e Cozinha; de Faxineiros; de Corte e Costura; de Lavandaria; de Criação de Aves;

• em articulação com a Operação Esperança: LADOR; Comissão de Justiça e Paz; Central da Juventude; [fl. 4] Central dos Artistas;Central dos Técnicos;

4. As atividades do Sobrado ficam sob a organização e supervisão do Conselho Presbiteral.

[D. José [D. José Larmatine] apresentou sugestões quanto a divisão espacial. Propõe, inclusive, a ida da Cúria para o Secretariado Arquidiocesano, passando eu a ter gabinete de despacho também lá. As audiências públicas continuariam em Manguinhos, na Sala da frente, hoje ocupada pela Cúria]

II) Central de Promoção Humana

A) LADOR (Levantamento das Áreas-Desafio de Olinda e Recife) Equipe responsável: Engenheiro Manuel Figueira; Médico, Hélio Mendonça; Assistente Social, Dolores Coelho; universitário, Joao Marques.

Objetivos:

• ajudar as Paróquias a enfrentar suas respectivas Áreas-Desafios;
• equacionar o problema;
• levantar e entregar forças disponíveis.

B) Comissão Justiça e Paz

Representantes das Comunidades Evangélicas
Representantes da Federação Espírita
Representantes da Comunidade Israelita
Representantes das Áreas Agnósticas
Representantes da Igreja Católica

Objetivos:

• Captar injustiças sociais e humanas, dando-lhes o máximo de ressonância.
• Servir de eco a injustiças sociais mais gritantes de qualquer parte do País ou do Mundo.

Tentarei preparar instalação aproveitando a passagem do Cardeal [Maurice] Roy. Primeiro assunto queimante: sumiço, espancamento e assassinato de Trabalhadores Rurais...

O resto segue em outra Circular.
Bênçãos saudosas

do Dom


* Esta Carta Circular faz parte da Coleção Obras Completas de Dom Helder Camara - Circulares Pós-Conciliares - Volume IV - Tomo I.
Este volume e toda a coleção completa encontram-se à venda no IDHeC - Instituto Dom Helder Camara. Clique aqui e obtenha mais informações.


POSTAGENS ANTERIORES

A CASA DE DOM HELDER MOSTRADA POR DOM HELDER






Nenhum comentário:

Postar um comentário