MENU

sábado, 2 de setembro de 2017

NOS 18 ANOS DA PÁSCOA DE DOM HELDER A HOMENAGEM DE SUA TERRA NATAL


Há catorze anos foi criado o grupo de Peregrinos do Ceará quem desde então, todos os anos, vêm á Olinda e Recife prestar homenagem a Dom Helder, sempre no ultimo final de semana de Agosto.


E, esse ano não foi diferente. Com o tema “o Servo de Deus, Dom Helder Camara, no ano Mariano, resgatamos a Paz que é fruto da Justiça”, o grupo teve uma extensa programação nos dias 26 e 27.

Da programação desse ano constou visitas ao Morro da Conceição, Mosteiro de São Bento, Igreja do Carmo, Tapioqueiras de Olinda, Marco Zero e Santuário da Mãe Rainha.



Dois pontos marcam com mais força a homenagem ao Dom. No sábado, a caminhada para a Catedral da Sé, com o Terço Missionário, Missa e visita ao túmulo de Dom Helder. E, no domingo, a celebração da Missa dos Romeiros, na Igreja das Fronteiras.


A missa dos Romeiros acontece também há 14 anos, sempre  no domingo próximo à data da partida de Dom Helder. Esse ano coincidiu exatamente com o dia 27.

Os 54 peregrinos participaram da celebração eucarística com uma igreja lotada para recebê-los e juntos reverenciar o grande profeta.






A missa foi presidida pelo capelão das Fronteiras, Pe. José Augusto e concelebrada por  padre Sá e padre Maurício, integrantes da caravana dos peregrinos. Auxiliaram ainda na celebração os diáconos Raymundo Vianna e Antônio Sebastião. E contou com a participação de um coroinha muito especial, Joel Soares de Souza  Filho.



O canto foi animado por Ramos e Heloísa e algumas músicas tiveram a colaboração de participantes da peregrinação.


Na celebração foram lembrados os 18 anos da partida de Dom Helder para a casa do Pai e a importância da homenagem que os peregrinos do Ceará fazem ao Dom visitando todos os anos os lugares por onde ele passou em Recife e Olinda.



Após a homilia Luiz Carlos Siqueira, dos grupos Encontro da Partilha e Fé e Política Dom Helder Camara, também integrante do Fórum Articulação de Leigos Cristãos, falou brevemente sobre  sua participação na celebração na Sé de Olinda e sobre a homilia feita por Marcelo Barros, uma referência ecumênica deixada por Dom Helder.


Luiz Carlos fez ainda um convite para o Grito dos Excluídos, que esse ano tem como lema “Vida em primeiro lugar”! E o tema: “Por direitos e democracia, a luta é todo dia”. A concentração será na praça do Derby, a partir das 09h da manhã, de onde sairá em caminhada pela avenida Conde da Boa Vista.



Ao final da missa o advogado Claudemir Coelho, vice-presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Vitória de Santo Antão, entregou o título de cidadão vitoriense conferido a Dom Helder em 1980 e que não foi entregue por impedimento do regime militar. 
(cf http://institutodomhelder.blogspot.com.br/2016/11/atualidades-museu-de-vitoria-de-santo.html).


Após a celebração foi oferecido  um lanche para os peregrinos no Espaço Dom Lamartine – Terraço das Fronteiras.


Exemplo de pastor Dom Helder foi e continua sendo uma referência para todos e todas que, seguindo o Evangelho e nosso papa Francisco, se esforçam para transformar o mundo em um lugar melhor.

GALERIA DE FOTOS

Fotos: Deo, Gersino, Lucy, Normândia e Rejane



Nenhum comentário:

Postar um comentário